Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print
Share on email
Share on google
Share on whatsapp

Justiça nega pedido 2º pedido de liberdade de sobrinho que matou agiota

Foi negada pela segunda vez pela Justiça, o pedido de liberdade de Miguel Arcanjo Camilo Júnior acusado de matar o tio Oswaldo Foglia Júnior de 43 anos, no dia 16 de julho deste ano, no Jardim São Lourenço, em Campo Grande. O crime aconteceu após um desentendimento comercial entre os dois.

O juiz Aluízio Pereira dos Santos negou o pedido de liberdade com restrições como uso de tornozeleira eletrônica e a proibição de saídas noturnas, no dia 18 deste mês. No pedido, o advogado Marlon Ricardo Lima Chaves expõe que Miguel estaria sendo ameaçado de morte e que Oswaldo também teria ameaçado a sua esposa e filho.

Ainda segundo a defesa, Miguel tinha porte da arma que foi usada para matar o agiota, sendo esta autorização da Polícia Federal após o réu ter sofrido assaltos em sua conveniência. O advogado ainda argumentou que a única contravenção que Miguel tinha seria multa por falta de cinto de segurança.

Mesmo assim, foi indeferido o pedido de liberdade a Miguel que está preso desde o dia 22 de julho, no Presídio de Trânsito de Campo Grande. A prisão temporária foi convertida em prisão preventiva, no dia 8 de agosto.

A 1º audiência do caso aconteceu no dia 28 de outubro quando quatro testemunhas de acusação foram ouvidas. Uma outra audiência está marcada para o dia 16 de dezembro deste ano.

O crime

O assassinato ocorreu no dia 16 de julho deste ano, no Jardim São Lourenço, em Campo Grande. No momento do assassinato, Oswaldo foi até a conveniência e teria dito ao sobrinho que estava com um facão no carro e que iria matá-lo. Momento em que, armado com uma pistola, o autor atirou contra o agiota que morreu no local. Em seguida, o sobrinho fugiu em um Camaro amarelo que foi encontrado abandonado na manhã seguinte, no bairro Cristo Redentor.

O agiota foi morto depois de exigir honorários de uma cobrança que fez, mas que não recebeu. O suspeito, Miguel é um empresário do ramo de frios e tem duas lojas na cidade. Um dos fornecedores de Miguel sabia que o tio dele, Oswaldo, estava envolvido com agiotagem e decidiu contratá-lo para fazer uma cobrança. Oswaldo seria o responsável por fazer a cobrança para este fornecedor.

Fonte:Midia Max