Máfia do Cigarro cooptou serviço reservado da PM

A Máfia do Cigarro que atua na fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai pagava propina para agentes do serviço reservado da Polícia Militar e interferia até na escala de trabalho da PM.
Conhecido como “P2” por fazer parte da Segunda Seção da corporação, o grupo trabalha à paisana, muitas vezes com homens infiltrados, para investigar a atuação dos criminosos.
Mas integrantes do serviço reservado foram cooptados pela organização criminosa liderada por Ângelo Guimarães Bellerini, o “Alemão”, Valdenir Pereira dos Santos, o “Perna”, Carlos Alexandre Gouveia, o “Kandu”, e Fábio Costa, o “Pingo”, um ex-policial militar que virou criminoso.
Alemão, Perna e Kandu estão presos desde setembro do ano passado, quando foi deflagrada a Operação Nepsis, da Polícia Federal. Pingo está escondido no Paraguai.
A ação penal está em segredo de justiça, mas o Campo Grande News teve acesso a trechos da denúncia do MPF (Ministério Público Federal) e da decisão da Justiça Federal que decretou a prisão preventiva da quadrilha.
Nos documentos, a Polícia Militar é chamada de “pé preto” e há referências aos codinomes “P2 Peixe”, “Douradina” e “Escala Bug”. Policiais civis também são citados com o codinome “Civil”.
“P2” é a segunda seção do batalhão (serviço reservado), “peixe” é o codinome para Dourados, “Douradina” é uma referência aos policiais lotados na cidade de mesmo nome e “escala Bug” seria o codinome usado para tratar das propinas pagas para manipular a escala de serviço da Polícia Militar. Caarapó aparece como “Cipó”.

 

O PM Joacir Ratier de Souza era responsável em pagar propina aos colegas (Foto: Reprodução)
O PM Joacir Ratier de Souza era responsável em pagar propina aos colegas (Foto: Reprodução)

 

Policial pagador – As investigações mostram que o elo da quadrilha com policiais corruptos era o PM Joacir Ratier de Souza, também preso na operação de setembro e atualmente no Presídio Militar em Campo Grande.
Ligado a Fábio Costa, o Pingo, Ratier é tratado nas investigações como “policial garantidor pagador”, ou seja, tinha a missão de garantir a passagens dos carregamentos de cigarro contrabandeado e pagar a propina aos colegas.
Preso com dinheiro – No dia 16 de abril do ano passado, Joacir Ratier seguia pela BR-463 em um Ford Ka sedan, placa PVX-8673, quando foi preso por policiais federais no Posto Pacury, no município de Ponta Porã.Caminhão da quadrilha de Ângelo Ballerini, apreendido pela PRF com cigarro paraguaio (Foto: Divulgação)Fonte;Foto;Campo Grande News / Camapuã News /09/01//2019

Deixe Sua Opinião ! Aviso: As opiniões São de Inteira Responsabilidade dos Autores e não representam a opinião do site Bela Vista MSNEWS. É Vedada a inserção de comentários violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, ficando seus autores, apos identificado o IP, responsáveis civil e penalmente por seus conteúdos.