Funcionário de Gabinete de deputado que é investigado

Marcos Antônio Silva de Souza, funcionário da Assembleia Legislativa conhecido como Marcão, é um dos alvos da Operação Grãos de Ouro, deflagrada nesta quarta-feira (8) pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado) de Mato Grosso do Sul no Estado e também em São Paulo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso.
Quem confirma é Renato Corrêa, advogado e irmão do deputado estadual Paulo Corrêa (PSDB). Ele conta que Marcão está lotado no gabinete do parlamentar tucano, mas garante que a investigação contra o servidor não está relacionada a atuação do funcionário no Legislativo. “Em nenhum momento fizeram perguntas sobre o deputado”.
Corrêa revelou ainda que o Gaeco, sob o comando da promotora Cristiane Mourão, chefe da “tropa de elite” no MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), esteve na casa de Marcão e levou o funcionário até a sala dele na Casa de Leis para buscas por volta das 6h30. Documentos foram recolhidos e o servidor deixou o local junto com a equipe.
Consta no Portal da Transparência da Assembleia Legislativa que Marcos Antônio tem cargo de “apoio técnico parlamentar 1”.
A operação – A Grãos de Ouro cumpre 32 mandados de prisão preventiva nesta quarta-feira (dia 8) em Mato Grosso do Sul e nos outros seis Estados. O Gaeco não confirma se Marcão é um dos presos por enquanto.
A ação também tem 104 mandados de busca e apreensão. Pelo menos 200 policiais militares estão mobilizados em apoio à operação.

 

Corredor de acesso ao gabinete do deputado Paulo Corrêa (Foto: Leonardo Rocha)Corredor de acesso ao gabinete do deputado Paulo Corrêa (Foto: Leonardo Rocha)
Fonte; Campo Grande News /(Foto: Marina Pacheco)-09/08/2018
Deixe Sua Opinião ! Aviso: As opiniões São de Inteira Responsabilidade dos Autores e não representam a opinião do site Bela Vista MSNEWS. É Vedada a inserção de comentários violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, ficando seus autores, apos identificado o IP, responsáveis civil e penalmente por seus conteúdos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *