Home Noticias Suposta conversa entre Moro e Dallagnol cita ministro Fux

Suposta conversa entre Moro e Dallagnol cita ministro Fux

0

Uma nova conversa atribuída ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e o procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol, foi divulgada na tarde de hoje. O editor-executivo do The Intercept Brasil, Leandro Demori, revelou, com exclusividade para Reinaldo Azevedo, da BandNews FM, uma passagem datada de abril de 2016.

No trecho, o então juiz e o procurador conversariam, ao que tudo indica, sobre a repercussão do levantamento do sigilo da conversa telefônica entre Lula e Dilma Rousseff, na qual ambos combinavam a posse do ex-presidente na Casa Civil.

Deltan fala sobre uma “queda de braço” entre Moro e Teori Zavascki relatada por Luiz Fux. “Caros, conversei com Fux mais uma vez, hoje. Reservado, é claro: O Min Fux disse quase espontaneamente que Teori fez queda de braço com Moro e viu que se queimou, e que o tom da resposta do Moro depois foi ótimo. Disse para contarmos com ele para o que precisarmos, mais uma vez. Só faltou, com bom carioca, chamar-me para ir à casa dele rs. Mas os sinais foram ótimos. Falei da importância de nos protegermos como instituições. Em especial ao nosso governo (sic)”, disse. Em seguida, o então juiz federal responde “in Fux we trust”.

O site The Intercept divulgou trechos de mensagens atribuídas a procuradores da força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba e a Moro, extraídas do aplicativo Telegram. Os alvos dessas conversas denunciaram recentemente que tiveram seus celulares hackeados ilegalmente.

Nesta terça (11), o Telegram negou que o aplicativo tenha sido alvo de hackers, ao contrário do que dizem os investigadores.

Fonte:Correio do Estado

Deixe Sua Opinião ! Aviso: As opiniões São de Inteira Responsabilidade dos Autores e não representam a opinião do site Bela Vista MSNEWS. É Vedada a inserção de comentários violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, ficando seus autores, apos identificado o IP, responsáveis civil e penalmente por seus conteúdos.