24/06/2021

Capitã da PM denuncia coronel após ser chamada de “mulher fácil”

A militar registrou um boletim de ocorrência na quarta-feira (17)

Uma capitã da Polícia Militar registrou um boletim de ocorrência, na quarta-feira (17), contra um coronel da PM que é seu ex-companheiro, alegando que ter sido vítima de injúria e difamação após o término do casal. O caso ocorreu em Cuiabá.

 

Conforme o boletim de ocorrência, a militar alega que ambos estão separados há 5 meses e desde então o coronel começou a ofendê-la aos colegas de trabalho.

 

Consta no boletim que ele dizia que ela era “uma mulher fácil” e que “qualquer um poderia chegar que ficaria com ela”.

 

Além disso, a vítima relatou que o ex chegou a oferecê-la para seus superiores, como forma de conseguir facilitar a promoção de cargo do suspeito.

 

A capitã relatou que nos dois anos em que se relacionou com o coronel teve sérios problemas psicológicos, precisando recorrer a psicólogos e psiquiatras para tratamento.

 

Durante o término, segundo ela, houve muita pressão e discussões em que o coronel a ofendia com xingamentos.

 

A mulher também contou que quando descobriu as difamações teve uma piora no quadro psicológico.

 

Antes de recorrer à denúncia, tentou resolver pacificamente com o ex, por ele ser seu superior hierárquico. No entanto, ao saber das ofensas proferidas pelo coronel, resolveu registrar o boletim de ocorrência, já que as ações estavam afetando sua vida pessoal e profissional.

 

A reportagem entrou em contato com a Polícia Militar, que afirmou que irá analisar o caso imparcialmente e abrir um inquérito para investigar a conduta do coronel.

 

A PM ainda destacou que “não compactua e repudia toda e qualquer forma de assédio, violência, violação e desrespeito aos direitos a integridade física e psicológica da mulher”.

 

Confira nota na íntegra

 

A Corregedoria-Geral da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso informa que tomou conhecimento hoje (17), por meio de um veiculo de comunicação, da denúncia formalizada em desfavor de um de seus membros junto à Delegacia de Polícia Civil Especializada de Defesa da Mulher. Adianta que irá analisar o seu conteúdo com imparcialidade, a fim de apuração dos fatos no que tange à legislação castrense.

A Corregedoria destaca, ainda, que a Polícia Militar não compactua e repudia toda e qualquer forma de assédio, violência, violação e desrespeito aos direitos a integridade física e psicológica da mulher e de qualquer cidadão, tanto no âmbito interno quanto externo à Instituição.

Fonte:MidiaNews