18/09/2021

Código do PCC surge em vídeo de Alckmin e campanha altera às pressas

O candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, lançou na última terça-feira (28/8) um vídeo promocional do jingle da campanha. Nele, Alckmin provoca o presidente Michel Temer (MDB), a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e Jair Bolsonaro (PSL), adversário na corrida ao Planalto. Mas um detalhe fez a equipe do tucano alterar a gravação: um código ligado ao Primeiro Comando da Capital (PCC).

Em um determinado momento, uma jovem negra surge à frente de uma bandeira do Brasil. No centro do desenho, em vez de “Ordem e Progresso”, estava escrito 1533. O número corresponde às letras do alfabeto. A 15ª é o “P”. A 3ª letra, o “C”.

O vídeo original foi publicado pelo site Poder360. Veja o frame:

O vídeo foi editado e atualizado pela equipe do tucano no Youtube. A jovem ganhou mais destaque, ficando ao centro da imagem e a bandeira foi desfocalizada manualmente. Segundo a assessoria do presidenciável, a mudança ocorreu por motivos “técnicos”.

O PCC, uma das maiores facções criminosas do país, ronda a campanha do tucano. Alckmin governou o estado de São Paulo por duas ocasiões (2001-2006 e 2011-2018). Ele é constantemente questionado sobre o crescente aumento de poder do PCC, mesmo quando ele esteve à frente do Executivo paulista.

O tema foi abordado durante entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo. Ele que a fação continue dando ordens de dentro de presídios do estado. Em checagem das informações dadas na sabatina, a Agência Lupa diz que as afirmações são falsas.

Nesta quinta (30), em mais um vídeo de sua campanha, Alckmin fez críticas veladas a Jair Bolsonaro. “Não é na bala que se resolve”, diz a gravação. A peça mostra vários objetos com nomes de problemas que o Brasil enfrenta sendo atingidos por balas.

Jornalista: Renan Melo Xavier

Fonte: Metrópoles/30/08/2018
Share this...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter