21/01/2022

“De uma forma ou de outra, o PSDB e o DEM vão estar juntos”

O deputado federal Nilson Leitão (PSDB) minimizou as articulações feitas pelo Democratas nas últimas semanas e disse acreditar que a aliança com o partido será mantida na eleição deste ano.

 

Leitão disse ver com naturalidade, por exemplo, o fato de o DEM – que sempre esteve no arco de aliados dos tucanos – ter realizado um grande ato de filiação no qual se cogitou a possibilidade de lançar nomes para disputa ao Governo e ao Senado em Mato Grosso.

 

“Este é o momento de todos os partidos terem candidatura, lançarem seus nomes, até para sentarem à mesa com os seus jogadores. Quem não tem esses nomes não vai sentar à mesa lá na frente. Esse processo não assusta, é normal da política”, disse Leitão, que inclusive, participou do ato do DEM.

“Temos que ter muita paciência para chegar até julho, agosto [data em que se encerram as convenções partidárias] conversando muito. Insistir no diálogo até a última hora. O que eu posso afirmar é que, de uma forma ou de outra, o PSDB e o DEM vão estar juntos”, afirmou o parlamentar.

 

Nos bastidores, os comentários são de que o ex-senador Jaime Campos e o ex-prefeito Mauro Mendes são tratados como principais nomes do DEM para concorrer ao Governo ou Senado.

 

O PSDB, por sua vez, dá como certa a candidatura à reeleição do governador Pedro Taques e mantém a pré-candidatura de Leitão ao Senado.

 

O deputado disse que, neste momento, ainda não é possível afirmar quem dará apoio a quem.

 

“Este é o período de plantar para colher lá na frente. É um debate em que não dá para antecipar quem será apoiado e quem não será. O momento é de paciência e não de quebrar pontes”, disse o deputado.

 

“Acho que o calendário brasileiro permite, neste período, que todo mundo lance candidatura. É normal, e o DEM tem todo o direito de buscar o seu lugar ao sol. Passada as convenções, [mesmo que DEM e PSDB] mantenham candidaturas separadas, ainda teremos que estar muito bem relacionados, pois ainda poderá ter um segundo turno e nós poderemos estar juntos”, acrescentou Leitão.