13/06/2021

Emanuel diz: delator precisa manter “mentira” para não ser preso

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), disse não ter se surpreendido com o depoimento do delator Silvio Corrêa, que confirmou em depoimento à CPI do Paletó, que o dinheiro que o então deputado estadual aparece recebendo em vídeo é oriundo de propina.

 

Segundo ele, o ex-assessor de Silval Barbosa não poderia dizer nada que fosse de encontro ao dito em sua delação.

 

“É claro que ele [Silvio Corrêa] vai ter que sustentar a versão, mesmo que não seja verdadeira, porque, senão, será preso. A mesma coisa vai ser o ex-governador. Ele tem que sustentar a versão”, disse Emanuel.

 

Apesar disso, ele acredita que sua versão vem sendo esclarecida nas investigações da CPI.

O prefeito citou, inclusive, questionamento do advogado André Stumpf, que faz sua defesa. Na oitiva, ele questionou se o delator tinha consciência de que, se disesse que o dinheiro entregue a Emanuel era fruto de pagamento de pesquisa, poderia anular sua delação. Silvio disse que sim.

 

“O Silvio foi indagado por um dos que o inquiriram e disse que sabe que se mudasse a versão poderia colocar por água abaixo a delação. Então, lógico que ele não vai mudar a versão. Na Justiça, onde vamos mostrar esse assunto sério que me atacaram, me atingiram de toda a forma, começa a aparecer a verdade. Mas a versão dos delatores, não podem mudar, senão a delação cai e eles podem ser presos novamente”, afirmou.

 

“A verdade está aparecendo. Está se consolidando a cada depoimento, a cada trabalho da CPI. Vamos comprovar na Justiça que não temos nada a ver com todo esse mar de lama que foi denunciado. Está aí, a verdade aparecendo, e é isso que importa para se mostrar à sociedade neste momento”, disse.

 

Ajuda a irmão

 

Segundo Emanuel, o dinheiro que pegou no gabinete de Silvio era referente a uma dívida de Silval com seu irmão, o empresário Marco Polo Pinheiro, o Popó.

 

“Existia uma relação comercial. Há uma dívida com meu irmão. Há uma dívida de pesquisa com meu irmão que vem desde 2011, 2012. Esta dívida estava sendo paga, depois deixou de pagar. Meu irmão estava executando na Justiça”, explicou.

 

“O próprio delator já confirmou. O próprio ex-secretário de Indústria e Comércio [Alan Zanatta] já confirmou na gravação que fez espontaneamente. Essa é que é a verdade que está aparecendo e que vai se consolidar a cada dia que passa”, disse.

 

Questionado a razão de ele ter ido buscar um dinheiro que seria do irmão, Emanuel disse: “O que você não faz pelo seu irmão?”.

Fonte;Midianews/22/02/2018