24/06/2021

Homem que matou cliente de espetinho a tiros é condenado a 16 anos de prisão

Um dia depois do crime, ficou a cadeira em que o açougueiro estava sentado.

O pintor Vagner Barbosa da Silva, 41 anos, foi condenado em julgamento ocorrido nesta sexta-feira (19) a 16 anos e 6 meses de reclusão por porte ilegal de arma e pelo matar Alziro Rodrigues Garcia Weis, com tiro na cabeça, quando tentava matar namorado da sobrinha em setembro de 2019 no Jardim Talismã.

Vagner foi acusado de tentativa de homicídio de Natã Pereira Maidana , que era o alvo, e do dono do espetinho Ivanir Devitti que foi atingido de raspão na perna esquerda, além disso foi acusado também por desacato aos policiais militares durante a ocorrência e por porte ilegal de arma.

Durante julgamento a defesa pediu a desclassificação de tentativa de homicídio de Ivanir para lesão corporal leve. Sobre Natã, alegou violenta emoção pela injusta provocação da vítima e exclusão das qualificadoras. Pediu ainda a absolvição pelo porte de arma e pelo desacato.

Diante disso o conselho de sentença  resolveu por condenar Vagner pelo homicídio de Alziro e pelo porte ilegal de arma e o absolveu na tentativa de homicídio conta Natã e no desacato aos policiais, além disso foi desclassificado a tentativa de homicídio contra Ivanir para lesão corporal.

Pelo homicídio foi aplicada pena de 15 anos de reclusão e dois anos pelo porte ilegal de armas. O juiz Aluizio Pereira dos Santos ainda determinou a redução de 6 meses após o réu confessar o homicídio. Ainda no julgamento foi condenado a 8 anos de detenção pela lesão corporal contra Ivanir.

Comparsa de Vagner, William César Garcia de Moraes foi julgado em novembro do ano passado e absolvido do assassinato de Alziro e pelo desacato, porém foi condenado a 11 anos de reclusão por tentativa de homicídio de Natã e Ivanir, além do porte ilegal de arma.

Crime- o Crime aconteceu no dia 7 de setembro de 2019. Vagner e Willian foram ao espetinho, que funcionava na calçada, próximo de bar na Rua Serra de Maracaju. Ambos encontraram Natã e disseram que iam matá-lo, pois o rapaz teria agredido a moça, com quem tinha relacionamento à época. A menina é sobrinha de Vagner.

A arma, revólver calibre 38 falhou e Natã teve tempo de correr e pular muro. Vagner, então, virou-se para os outros e disse que também deveriam morrer por serem “amigos de Natã”. Ele atingiu Alziro Rodrigues com vários tiros na cabeça, matando o homem. O dono do bar, Ivanir Devitti foi atingido de raspão na perna esquerda.

Os dois homens foram detidos pouco depois, flagrados pela PM (Polícia Militar) – Fonte: C. G. NEWS

(Foto/arquivo: Marina Pacheco)