24/06/2021

Marido suspeito de agredir empresária é solto; ela relata medo

Homem foi autuado e preso em flagrante por lesão corporal, ameaça e posse irregular de arma de fogo.

O homem de 49 anos preso em flagrante suspeito de agredir e ameaçar a esposa, uma empresária de 55 anos, em Chapada dos Guimarães (a 65 km de Cuiabá), foi solto na manhã de segunda-feira (5).

A agressão teria acontecido em um restaurante, no Lago do Manso, na sexta-feira (2). O homem foi autuado em flagrante por lesão corporal decorrente de violência doméstica, ameaça e posse irregular de arma de fogo de uso permitido.

 

Ao MidiaNews, a mulher disse ser vítima de contou constantes agressões, tanto verbais quanto físicas. Eles estavam juntos há seis anos e oito meses.

 

A decisão que soltou o homem é do desembargador Rubens de Oliveira Santos Filho. Ele afirmou que a prisão preventiva deve ser adotada apenas quando não couber medida menos grave. Segundo ele, não se admite a sua decretação com a finalidade de antecipação do cumprimento de pena.

 

O desembargador estabeleceu uma série de medidas cautelares contra o suspeito. Ele deve comparecer mensalmente em juízo, manter endereço residencial atualizado, não se ausentar de Chapada dos Guimarães por mais de oito dias sem informar à Justiça e suspensão de porte/posse de arma de fogo.

 

O empresário também foi proibido de se aproximar da vítima, que recebeu um botão do pânico.

 

“Medo de morrer”

 

A vítima afirmou que foi agredida pela primeira vez quando completou seis meses de casada. Desde então, a situação de violência doméstica se agravou e a empresária passou a ser vítimas de agressões constantes.

 

Segundo a mulher, na sexta-feira ela tentou conversar com ele sobre problemas financeiros que eles enfrentavam, quando o marido se alterou.

 

Em questão de minutos, o marido sacou um revólver. Ela disse ter sido socorrida por dois funcionários do restaurante que presenciaram a cena.

 

A empresária contou que temeu e ainda teme pela vida.

 

“Se não fossem os funcionários, eu tinha morrido. Ele já me agrediu alguns meses atrás dentro do nosso quarto, escapei porque Deus me ama. Não denunciei e o erro é meu. Só que agora cansei”, disse.

 

Ainda muito abalada, ela disse que já se viu com braços repletos de roxos das agressões, mas que não tinha coragem de expor a situação.

 

“Errei muito [em não ter denunciado], mas dói quando isso vêm de alguém que amamos tanto. Em 5 de dezembro estava toda roxa no braço, mas fiquei com vergonha. Estavámos montando árvore de Natal. Gostava muito dele”, lembrou.

 

Temor pela vida

 

A empresária afirmou que não vai mais se calar sobre os episódios de violência doméstica, mas que teme pela própria vida.

 

“Tenho 55 anos, às vezes estou bem e começo a chorar, como agora. Ele é muito influente, tem muitos amigos. Vou morrer nessa causa se for preciso, mas vou até o final”, disse.

 

Apesar da medida protetiva, a empresária contou que não pretende voltar para a casa onde morava com o marido, porque tem medo que ele a procure.

Fonte:MidiaNews