30/11/2021

PF faz operação contra racismo e terrorismo na internet

A Polícia Federal (PF) deflagrou, na manhã desta quinta-feira (10), operação contra crimes praticados na internet. Uma pessoa foi presa, em Curitiba. Há oito mandados de busca e apreensão em outras cidades.

 

Entre os crimes investigados pela Operação Bravata (que significa intimidação), estão racismo, ameaça, incitação ao crime e terrorismo.

 

De acordo com o portal G1, o alvo de prisão é Marcelo Mello, já preso e condenado pelos mesmos crimes.

 

Os mandados são cumpridos em Curitiba, Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), Recife (PE), Santa Maria (RS) e Vila Velha (ES).

 

O alvo de prisão ficará na Superintendência da PF, na capital paranaense, à disposição da Justiça. A prisão de Marcelo Mello é preventiva, ou seja, por tempo indeterminado.

 

A investigação

 

De acordo com a PF, a investigação começou com fatos verificados na Operação Intolerância, deflagrada em 2012.

 

Na ocasião, Marcelo Mello e outro homem foram presos suspeitos de alimentar um site com mensagens que incitavam a violência contra negros, homossexuais, mulheres, nordestinos e judeus e de incentivar o abuso sexual de menores.

 

A partir disso, foi apurado, segundo a PF, que outras pessoas continuaram a praticar crimes por meio dos mesmos sites e fóruns na internet, chegando a criar novos ambientes virtuais para a prática destes delitos.

 

Esses novos suspeitos podem estar associados aos presos em 2012, conforme a PF.

 

Os mandados da Operação Bravata foram expedidos pelo juiz federal Marcos Josegrei, da 14ª Vara Federal de Curitiba.

 

O alvo de prisão

 

Em 2013, Marcelo Mello foi condenado pela Justiça Federal do Paraná. Ele cumpria a pena em liberdade.

 

Dois anos depois, o programa Profissão Repórter foi atrás de Marcelo Mello, por causa de ataques cometidos contra feministas.

 

Marcelo Mello era um dos principais agressores de Dolores Aronovich, conhecida como Lola. Ela é uma das feministas mais atuantes do Brasil.

 

O repórter do programa perguntou se ele não tinha medo de ser preso novamente, e Marcelo Mello respondeu: “Se eu for, vou sair logo logo. Em um ano, tô na rua de volta”.

Fonte;G1/ Camapuã News/(Foto: PF/Divulgação)-10/05/2018