Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print
Share on email
Share on google
Share on whatsapp

Trio é preso com mais de 100 joias durante investigação de furto a residências

Bandidos em Ford Escort usado nos furtos.

Dois homens e uma mulher foram presos nesta quarta-feira (14) suspeitos de furtos a residências nos bairros Vilas Boas e Morumbi, em Campo Grande. Com o trio, os policiais encontraram mais de 100 joias, televisão e raquete de tênis.

Policiais do GOI (Grupo de Operações e Investigações) receberam denúncia informando que bandidos em um Ford Escort estavam cometendo furtos na região. Durante as investigações, os agentes ocalizaram o carro estacionado em frente a uma casa na Avenida Babilônia, no Tiradente

Dois homens saíram da casa e entraram no carro. Eles foram abordados algumas quadras depois. Igor Henrique Paim Silva, 20 anos, e Samuel de Abreu Carvalho, 19 anos, assumiram que haviam furtado casas na região.

Na casa de Igor, os policiais encontraram uma televisão de 50 polegadas em cima de um colchão, uma raquete de tênis, além de cinco-porta joias com mais de 100 peças.

À polícia, esposa do suspeito, Juliana Silva de Souza, 25 anos, que está grávida, contou que era dona do carro Escort e que as joias que estavam no imóvel eram presentes da cunhada que havia mudado de cidade. Questionada sobre a televisão e a raquete, a suspeita disse que achou que eram presentes de outros familiares.

Igor relatou que há cerca de duas semanas invadiu uma casa na Vila Morumbi, furtou uma televisão de 50 polegadas e vendeu por R$ 1 mil para um homem na Nhanhá. Segundo o suspeito, ele usou o dinheiro para comprar o enxoval do filho.

No final da manhã de ontem, antes de ser preso, Igor assumiu que chamou Samuel para furtar outra residência, no Vilas Boas. Eles levaram uma televisão e o dinheiro da venda seria dividido em partes iguais entre os dois.

Samuel confirmou a versão apresentada pelo comparsa e disse que participou apenas do furto do Bairro Vilas Boas.

O trio foi preso e levado para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Cepol.

(Foto: Divulgação/Polícia Civil)